Liderança, Argentina, gol de goleiro e primeiro de abril

Neste dia primeiro de abril, data consagrada pelas pegadinhas do dia da mentira, nos deparamos com algumas notícias que, há alguns meses pareceriam mentiras. Falando de futsal, voltamos alguns meses atrás, quando a equipe do Clube Atlético Deportivo terminou a temporada passada, quase rebaixada na Chave Ouro. Quem diria que, no começo do campeonato seguinte, o clube já assumiria a liderança do estadual? E mais: com um time de encher os olhos do torcedor?
Claro que, depois da derrota no Torneio dos Campeões para a Copagril, ainda é fácil encontrar gente com o pé atrás. Mas se considerarmos que o time de Marechal conta uma base pronta, que veio de título da Chave Ouro no ano passado, o time de Guarapuava tem tudo para, no decorrer do ano, evoluir ainda mais e chegar às finais, batendo de frente com a própria Copagril que, a meu ver, deverá ser o grande rival nesta temporada.
Falando especificamente do jogo da estreia no Joaquinzão, contra a ACF, deu para notar que o elenco é, sim, muito forte e capaz de superar adversidades. A equipe entrou em quadra com cinco desfalques: André Maluko, Simi, Alan, Harry e Bruno Petry. Mesmo assim, a base que ficou deu conta do recado, até com facilidade. A vitória de 4×0 foi só consequência de um trabalho que está sendo conduzido com muita competência e seriedade pelo técnico Baiano.
A vantagem de ter um elenco grande e com jogadores de alto nível é justamente esta: além dos desfalques, vimos alguns jogadores em uma noite não muito inspirada. Foi o caso de Adeírton, que perdeu gols que não perde normalmente. Por outro lado, Marquinhos estava calibrado para marcar três vezes e ser decisivo na goleada, sem falar do goleiro Danilo, que foi perfeito quando exigido pelo ataque cascavelense. Com certeza é uma equipe que trará muitas alegrias no decorrer do ano. Maringá que nos aguarde…
Mas voltando ao 1º de abril. No domingo tivemos um jogo que foi marcante no momento atual do futsal brasileiro. Em uma época em que a Confederação Brasileira (CBFS) é duramente criticada pelos principais jogadores em atividade, a Seleção Brasileira foi derrotada por 3×2 para a Argentina (logo para a Argentina), na final da Copa das Nações, disputada em Minas Gerais.
Longe de mim querer criticar os jogadores que estiveram em quadra, até acho uma atitude um pouco covarde de boa parte da torcida que gritou o nome de Falcão durante o jogo, mas a derrota traz à tona um problema que já vem sendo denunciado há algum tempo, mas que só ganhou força com o apoio de Falcão e da Associação de Atletas do Futsal. Agora é ficar na torcida para que a repercussão desta derrota ajude a trazer mudanças significativas na CBFS. Pois já passou da hora.
Quem sabe com este movimento nacional, os atletas e clubes do Paraná não se animam para reivindicar mudanças também na Federação Paranaense? O contraste atual é imenso: de um lado os clubes cada vez mais profissionalizados e de outro uma federação, cada vez mais próxima do amadorismo. Chegamos ao cúmulo de não recorrer mais ao site oficial da entidade para buscar informações confiáveis, pois, na maioria das vezes, elas simplesmente não estão lá. Enfim, fica a dica.
E para fechar o assunto do primeiro de abril, vamos sair um pouco das quadras… Não é que no último jogo do Madeirit, pela Taça Paraná, tivemos um gol de goleiro? O autor da façanha foi o arqueiro Anderson que tentou lançar o contra-ataque rápido com o atacante Marcelinho. A bola bateu no gramado molhado e enganou o goleiro do Pinheiros, abrindo o placar na vitória de 5×0 do Madeirit. Um lance que não se vê todo dia e que lembrou muito aquele gol do jogo Batel x União Bandeirantes, no primeiro ano do rubro-negro no profissional… Mas este assunto, da história do futebol guarapuavano, deixarei para a coluna do Dirceu Pato…