Paraná lidera criação de empregos na agropecuária na Região Sul

O Paraná foi o Estado da Região Sul que gerou o maior número de empregos no setor agropecuário em 2015. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregos (Caged), divulgado nesta quinta-feira (21), o Estado se destacou ao fechar o ano com saldo positivo de 3.067 novos postos de trabalho criados de janeiro a dezembro no setor.

Segundo o economista do Observatório do Trabalho da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social, Juliano Padilha, o resultado registrado pelo Paraná superou Estados importantes em participação na agropecuária, como o Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

O agronegócio desempenhou um papel importante na geração de postos principalmente no Oeste paranaense, devido à demanda do setor frigorífico, especialmente aqueles que têm produção voltada à exportação, explicou Padilha. A cultura da laranja no Noroeste do Estado também criou um número expressivo de empregos em junho e julho, o que garantiu o bom resultado no acumulado, concluiu.

BALANÇO – Assim como os demais Estados, o Paraná sofreu os reflexos da grande turbulência econômica que atingiu o País em 2015, que provocou a redução no número de empregos em diversas empresas, especialmente no setor industrial. No acumulado do ano, o saldo ficou negativo. Foram menos 75.548 empregos, o que representa um impacto de -2,78% sobre o estoque total de empregos no Paraná.

A criação de empregos no Estado atingiu o ápice no mês de março, por conta da contratação para as obras da Klabin, instalada em Ortigueira. Nos Campos Gerais, o destaque foi a criação de empregos no setor de alimentação, com foco nos municípios de Castro e Carambeí. Em Telêmaco Borba, a indústria do papel foi a principal geradora de novos postos de trabalho.

Nos meses seguintes, a indústria de Ortigueira dispensou os trabalhadores da construção civil, porém contratou um número significativo de empregados para a implantação de equipamentos.

No Litoral o setor industrial e os setores voltados ao turismo garantiram o desenvolvimento da região. O mesmo aconteceu em Foz do Iguaçu, que teve criação de novas vagas principalmente no final do ano.

Ao longo de 2015, a ocupação mais demandada foi magarefes, os profissionais que trabalham em frigoríficos, setor de grande desenvolvimento nas regiões Oeste e Noroeste. A segunda e terceira ocupação de destaque do ano, foram, respectivamente, operadores de telemarketing (2.699) e técnicos e auxiliares de enfermagem (1.490).

DEZEMBRO – Os dados do Caged apontam que no último mês de 2015, o Paraná eliminou 45.115 postos formais, um recuo de -1,68% no estoque de empregos com carteira assinada. No mesmo período, o país eliminou 596.208 postos de trabalho. Os setores que mais eliminaram vagas de trabalho foram o indústria de transformação (-17.740), serviços (-13.244) e construção civil (-6.414).

A região litorânea centralizou o saldo positivo de empregos em dezembro do Estado, com destaque para os municípios de Matinhos (571), Guaratuba (424), Pontal do Paraná (260). Na sequência, aparecem os municípios de Rondon (98), Palotina (92), Ventania (61) e Campo do Tenente (48).

A contratação expressiva pelos setores dos serviços e comércio puxou a criação de empregos no município de Matinhos e Guaratuba. Em Pontal do Paraná, o comércio alavancou o número de empregos.