Meio-Ambiente  

Cuidado, a dengue está aí

Trinta e sete casos suspeitos, 11 confirmados, mas nenhum da cidade, todos “importados”. Esse é o cenário da dengue em Guarapuava, conforme relato feito na Câmara Municipal de Vereadores pelo diretor da Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde, Rodrigo Cordova. “Atualmente, não há casos na cidade, mas na região sim”, disse ele.

A situação, mesmo sendo tranqüila agora, preocupa. No ano passado foram encontradas nos pontos monitorados pela Secretaria da Saúde 400 larvas vivas e 29 mosquitos foram capturados. Neste ano, o número de larvas já cresceu para 970. “A dengue está aí, batendo à nossa porta. Temos que fazer a nossa parte, evitar água parada e todos os possíveis focos da larva”, esclareceu o diretor, que foi à Câmara a convite dos vereadores.

Mais de 20% da cidade já foi analisada pelos técnicos da secretaria, bem mais que os 10% solicitados pelas entidades de proteção. E 50 pontos estratégicos são monitorados com freqüência.

Dificuldades

Há, porém, problemas para que essa varredura seja ainda mais eficiente. São vários os casos que os moradores impedem a entrada dos fiscais, por medo ou desconhecimento. “Há, ainda, a questão dos terrenos baldios, cujos proprietários não se incomodam em verificar possíveis acúmulos de água”, esclarece Rodrigo.

Está tramitando na Câmara Municipal de Vereadores de Guarapuava, um projeto de lei que prevê multa a proprietários de imóveis que sejam reincidentes na constatação de focos do mosquito aedes aegypti.  Talvez a multa seja a alternativa para que esses proprietários tomem consciência de que seu desleixo prejudica toda a cidade e não apenas ele mesmo.

“Vários casos são registrados todos os dias em vários pontos do país. A doença está perto da gente e precisamos tomar cuidado, porque depois de uma epidemia instalada, é mais complicado revertê-la do que preveni-la”, garante o diretor.

Outra preocupação da Secretaria é com os veículos que cortam a cidade em duas rodovias de intenso movimento. O mosquito da dengue pode muito bem ser “importado” em um caminhão ou automóvel e se instalar na cidade.

Denúncias sobre possíveis focos de dengue podem ser feitas à Secretaria da Saúde, através do telefone (42) 3624-4539.