Pesquisa do Procon indica variação de preços de 200% do alface e do tomate

Ao todo, foram analisados 165 itens, em 21 supermercados de Guarapuava. Os valores dos combustíveis de 41 postos também passaram pela vistoria

O Procon de Guarapuava divulgou, nesta quarta-feira (19), a mais recente pesquisa do Checkpreço$. O apanhado dos valores de 165 itens de supermercados e dos combustíveis comercializados ocorreu de 13 a 17 de julho. A iniciativa é uma colaboração entre a Prefeitura de Guarapuava, por meio do Procon, e a Unicentro.

As pesquisas do Checkpreço$ são realizadas quinzenalmente por alunos do curso de Ciências Contábeis da universidade desde agosto de 2023. O trabalho possibilita que a população verifique as práticas de preço dos estabelecimentos do Município, garantindo que pessoas em situações econômicas mais vulneráveis tenham possibilidade de buscar produtos mais em conta para o dia a dia.

De acordo com a superintendente do Procon, Luana Esteche, a cada pesquisa do Checkpreço$, alguns itens apresentam maior ou menor variação.

“Por isso, este levantamento, que realizamos a cada quinze dias, é fundamental para o consumidor, pois a partir dessas informações, a população pode, sim, buscar maior economia ao optar por produtos e estabelecimentos mais baratos. O projeto, desenvolvido em parceria com a universidade, facilita esse trabalho pela busca do melhor preço, uma vez que monitora constantemente o mercado guarapuavano e promove a comparação e a divulgação dos índices encontrados”, destacou.

Luana disse, ainda, que diversos fatores podem contribuir para as variações de preços. O objetivo da pesquisa é auxiliar e garantir que a população esteja atenta aos valores dos produtos. “Buscamos sempre a orientação e a conscientização da população quanto ao consumo consciente.  Com isso, evitamos que as pessoas tenham prejuízo nas suas compras, sempre lembrando que a inflação, a localização do estabelecimento, ou até mesmo promoções, podem influenciar nas compras”, completou a superintendente.

Nesta pesquisa, dois produtos chamaram bastante a atenção pela variação de preços: o tomate e a alface. Conforme os dados coletados, o preço do tomate no estabelecimento mais barato é praticado a R$ 5,59, enquanto no local mais caro, o produto é vendido a R$ 17,00, mostrando, portanto, variação de 204%. Já em se tratando da alface, a unidade variou de preços entre R$ 1,00 no estabelecimento mais barato, e R$ 3,00 no mais caro. Com isso, a oscilação foi de 200%.

Confira as variações dos principais produtos:

Arroz e Feijão

Uma das opções de Arroz parboilizado tipo 1, de 5kg, registrou uma variação de 29,40%, tendo preços praticados entre R$ 25,00 e R$ 32,35. Já o arroz branco tipo 1, de 5 kg, de uma determinada empresa, também repetiu a mesma variação, com preços praticados entre R$ 25,00 e R$ 32,00.

Quanto ao preço do feijão preto tipo 1, de uma marca específica, houve variação de 72,41%. Desta forma, os preços oscilaram entre R$ 5,22 e R$ 9,00.

Já o feijão carioca, de uma determinada marca, também repetiu a variação de 72,41%, sendo vendido entre R$ 5,22 no estabelecimento mais barato e R$ 9,00 no mais caro.

Laticínios

Os produtos derivados de leite apresentaram grande variação entre os estabelecimentos do Município. O leite integral longa vida de uma marca específica, foi comercializado com preços entre R$ 4,29 e R$ 6,89. A variação apresentada foi de 60,61%.

Outro produto com variação considerável foi o queijo muçarela. O pacote de 150g foi vendido a R$ 4,97 no estabelecimento mais barato, e R$ 8,79 no local mais caro. A variação foi de 76,86%.

Destaque para a variação de 89,67% no preço da margarina de 500g de uma determinada empresa. O preço mais baixo encontrado foi R$ 3,00, enquanto o maior valor foi R$ 5,69.  Já o valor do pote de manteiga de 200g de uma certa marca, foi oferecido ao preço de R$ 8,51 no local mais barato, e R$ 13,89 no mais caro. A variação foi, portanto, de 63,22%.

Carnes

O preço do peito de frango apresentou uma diferença de 119%, variando de R$ 12,50 a R$ 27,49. Em relação à carne bovina, há destaque para o quilo da ponta de peito e músculo com osso, com uma variação de 125% e 108% respectivamente. O preço mais bairro da ponta de peito foi de R$ 12,00, e o mais caro, de R$ 27,00. Já o músculo foi comercializado com valores entre R$ 12 e R$ 25,00. Além disso, o valor da linguiça do tipo calabresa defumada, de 1kg, de uma determinada marca variou de R$ 25,39 a R$ 39,25, resultando em um percentual de 57,35%.

Frutas e Verduras

O preço de frutas, legumes e verduras apresenta algumas das maiores variações entre os supermercados da cidade.

O quilo da maçã tipo fuji foi vendido a preços de R$ 7,00 e R$ 13,59, totalizando uma variação de 94,14%.

A banana caturra foi vendida a R$ 2,00 e R$ 3,62, com variação de 81% Já a unidade da alface aponta uma variação de 200% em seus valores, sendo o menor deles R$ 1,00 e o maior R$ 3,00.

Por outro lado, o tomate saladete, italiano ou rasteiro, teve uma variação de 204%. O menor preço encontrado foi R$ 5,59, enquanto o maior valor foi de R$ 9,65.

O quilo da cebola solta variou entre R$ 9,69 e R$ 11,95, com um percentual apresentado de 23,32%.

Higiene e Limpeza

O sabão em barra de 900g apresentou uma diferença de 109,56% em seus preços, sendo o menor de R$ 11,40 e o maior de R$ 23,89. O creme dental de determinada empresa sofreu uma variação de 121,86%, com os preços praticados entre R$ 2,79 e R$ 6,19. Por fim, o xampu masculino de 200ml foi vendido por valores entre R$ 14,90 e R$ 27,95, resultando um percentual de 87,58%.

Combustível

Quanto aos combustíveis, os preços encontrados pelo Procon foram os seguintes:

A gasolina comum foi vendida entre R$ 5,07 e R$ 5,89, totalizando um percentual de 16,17%. A gasolina aditivada sofreu uma variação de 17,79%, com os preços praticados entre R$ 5,17 e R$ 6,09. O etanol apresentou uma diferença de 15,99%, sendo o menor preço de R$ 3,44, e o maior, de R$ 3,99. O Diesel S500 teve uma variação de 12,17%, sendo vendido entre R$ 5,34 e R$ 5,99. Enquanto isso, o valor do Diesel S10 oscilou de R$ 5,34 e R$ 6,10, resultando em um percentual de 14,23%.

Em caso de dúvidas, o Procon de Guarapuava está disponível para contato, pelo telefone (42) 3142-1913 ou pelo e-mail: [email protected]

Confira a tabela completa da pesquisa AQUI.