Cultura  

A moda é reinventar

Foto: Noeli Almeida

Customização de roupas transforma o estilo e gera economia na hora de mudar o visual

Caminhar em direção a um consumo consciente é um passo importante para modificar comportamentos de desperdício em nossa sociedade. Além de ajudar a proteger o planeta, a ação de reaproveitamento pode se tornar uma forma de gerar renda extra.

E uma tendência que está ganhando muitos adeptos é a prática de criar novos modelos de roupas a partir de peças antigas. Na década de 1960 o surgimento dos hippies deu o que falar, os seguidores desse movimento cultural desfilavam palhetas de cores e a linha do “paz e amor” costurava botões, retalhos e tingia peças de várias tonalidades,  causando uma verdadeira  explosão de irreverência.

Na atualidade muitas mulheres utilizam uma herança da moda hippie, a calça flair, conhecida também como boca de sino, fez sucesso nos anos 1970 e agora faz parte novamente do guarda roupa feminino. Prova de que reinventar está em alta.

O conceito de “faça você mesmo” utilizado por muitos sites na internet que ensinam as pessoas a produzirem vários objetos, inclusive roupas, está gerando novas representações de identidade permitindo com que cada pessoa siga seu próprio estilo  e outra vez acrescentando liberdade ao direito de escolha do que vestir.

Conforme o site Platão Plomo, o mercado da alta costura também está utilizando a tendência da customização e isso fez com que as transformações feitas em casa, handmand, que significa  “feito a mão” ganhem espaço e fiquem ainda mais populares.

O tradicional modo de vestir-se combinando peças e cores deixou de ser regra e a ordem agora é misturar e criar um estilo único. Customizar além de ser divertido também pode ser um jeito de ganhar dinheiro.

Tirar do armário peças sem uso pode ser um ótimo começo para um negócio de customização e nessa hora vale tudo, cortar, costurar, investir em aplicações de pedrarias, patches, tachas e spikes podem ser ótimas opções. Basta deixar a imaginação fluir.