Deseja enfrentar o bisturi? Especialistas explicam os riscos da cirurgia plástica

Cintura fina, seios fartos, corpo esbelto e perfeito, o sonho de toda mulher

Até que ponto vale tudo pelo corpo perfeito? Quais os riscos para ter esse corpo perfeito? Existe algum risco na cirurgia plástica? O Jornal Extra Guarapuava, conversou com alguns especialistas sobre o assunto, para esclarecer as dúvidas mais comuns da população na hora de enfrentar o bisturi.

O cirurgião plástico Dr. Antônio Marcos Cabrera, explica que como toda a cirurgia existe risco, a cirurgia plástica também. Por conta da anestesia, o pré/pós-operatório, a saúde e a idade da paciente, entre outros fatores. “Quando o paciente faz uso de medicamentos, ou tem hábitos como o tabagismo, vícios em drogas, é sempre necessário avaliação com o médico cardiologista antes da cirurgia. Também deve ser feito a realização de exames de sangue para detectar anemia, diabetes e alteração da função dos rins”, alerta o cirurgião.

É importante lembrar também que, quando se deseja fazer uma intervenção cirúrgica, por estética ou saúde, é preciso estar atento aos detalhes como, por exemplo, o peso da (o) paciente. “A Cirurgia Plástica não visa emagrecimento e sim, a melhora dos contornos corporais, logo, a paciente não pode estar obesa, deve cuidar da dieta no pós-operatório, para evitar ganhar peso e atrapalhar o resultado da cirurgia”, comenta Dr. Antônio Marcos Cabrera.

A estudante de História, Fernanda Xavier de Paula, 20 anos, fez a mamoplastia redutora no final do ano passado. O tamanho dos seios estava prejudicando a sua postura. Segundo ela por conta do peso elevado dos seios, havia uma “pressão involuntária sob a coluna” e isso fazia com que ela estivesse ficando curvada sem perceber. “Eu lutava há alguns meses Kung Fu, mas não conseguia fazer os exercícios de maneira correta, o que me obrigou a deixar de frequentar. Além disso, sentia dores no pescoço e nas costas”, comenta a estudante.

Fernanda estava ciente de todos os riscos que a operação poderia trazer, como também dos cuidados no pré/pós – operatório. “Por algumas semanas tive que tomar anti-inflamatório. Sem falar em cuidar para não levantar os braços bruscamente, até certa altura dava. Trocar de roupas e banho somente com ajuda”, esclarece a estudante.


A estudante de História, Fernanda Xavier de Paula, fez mamoplastia
redutora. Foto: Elisandra Carraro.

Conversamos também com o cirurgião plástico, Dr. Chehade Wadih Tahech, sobre quais as cirurgias mais procuradas pelas mulheres. Ele explica que lipoaspiração e a mamoplastia de aumento (prótese de silicone) estão entre as queridinhas das mulheres. “Após os 40 anos, os procedimentos para rejuvenescimento facial começam a ter uma maior procura; entre os 30-40 anos de idade, a abdominoplastia é bastante procurada em virtude das alterações decorrentes de gravidez”, esclarece o cirurgião.


Dr. Chehade Wadih Tahech diz que as cirurgias mais procuradas
pelas mulheres são a lipoaspiração e a mamoplastia de aumento
(prótese de silicone). Foto: Elisandra Carraro.

Outra paciente que o Extra conversou, foi a jornalista Maira Machado, 22 anos, que fez o implante de prótese mamária (silicone). Maira conta que levou um ano apenas planejando a cirurgia, já que era algo que queria muito. Pesquisou vários profissionais, em Guarapuava e em Curitiba, até encontrar alguém de confiança. “Eu sou totalmente a favor da cirurgia plástica, desde que seja feita de forma consciente. Por isso, para mim, foi essencial visitar mais de um profissional. São eles que vão te alertar sobre os riscos, te orientar sobre os cuidados que se deve tomar”, argumenta a jornalista.

Mas nem todas as cirurgias realizadas sucedem bem, como foi o caso de Fernanda e Maira. Quando erros médicos acontecem, o paciente prejudicado deve entrar em contato imediatamente com o Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM – PR), para que as medidas necessárias sejam tomadas. Em resposta ao Extra, o CRM-PR Afirma que quando recebe alguma denuncia ou o caso vai a júri e se torna público, realiza a fiscalização. “O CRM também pode abrir sindicância para averiguar os fatos. A partir da sindicância os médicos responsáveis pelo estabelecimento podem ser processados e penalizados junto ao CRM-PR”, esclarece a assessora do CRM-PR, Amália Dornellas.

Ainda de acordo com o CRM-PR, para fazer uma denuncia contra um médico, hospital, ou clínica, a reclamação deve ser feita por escrito, com a assinatura e identificação do requerente, e então encaminhada à sede ou Delegacia Regional do Conselho de Medicina para ser protocolada.

Portanto, se você deseja fazer uma cirurgia plástica, seja para estética ou correção, lembre-se de procurar um especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, e ouvir indicações de médicos e amigos da sua confiança. Mas o mais importante é você se sentir segura com o médico que irá realizar a sua cirurgia. Qualquer dúvida pode ser esclarecida pelo endereço: protocolo@crmpr.org.br.

About the author /


Extra

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Newsletter

ASSINE O EXTRA