Policial

Quase dois anos depois, morte de criança em acidente permanece sem solução

Após mais de 18 meses da tragédia o inquérito policial não foi concluído e vítimas temem que o caso venha cair no esquecimento
O acidente causou a morte da criança e deixou outras pessoas feridas (Foto: Divulgação)

A tragédia ocorrida no dia 21 de janeiro de 2018 continua sem uma resposta à sociedade, familiares e vítimas. Naquele dia uma camioneta desgovernada invadiu uma residência, atropelando duas crianças.

Com a violência do impacto da batida, o menino Pablo Queiroz, de 04 anos, entrou em óbito no local, a outra criança, uma menina de 09 anos, sofreu alguns ferimentos, além de moradores da casa que também sofreram escoriações.

Segundo informações dos pais, na época, as crianças estariam voltando das compras de uma mercearia no bairro. As vítimas se dizem indignadas porque que, depois de dezoito meses do ocorrido, as pessoas envolvidas ao fato se quer foram ouvidas em inquérito policial.

O motorista do veículo, Jeferson Jesus dos Santos, 40 anos, que não possuía Carteira Nacional da Habilitação (CNH), alegou problemas mecânicos, e por medo dos moradores e familiares ele teria fugido do local do acidente.

“É muito triste, pois além da tragédia com a morte de uma criança, ficamos com um prejuízo em mais de R$ 4 mil, com gastos na reconstrução da casa e do muro. As pessoas responsáveis pelo ocorrido estão livres sem nenhuma punição”, lamentou o morador do Jardim das Américas, que pediu para que não citássemos seu nome.

5º Cartório – A nossa reportagem conversou com a responsável pelo Cartório (5º), onde se encontra o inquérito sobre o caso. A mesma alegou que, somente na sua pasta, são mais de 300 inquéritos em andamento, e que o processo sobre o caso está na fase de diligências. Disse ainda que somente depois de ser ouvidas as partes envolvidas será encaminhada ao delegado responsável para conclusão do mesmo e o encaminhamento ao Ministério Público.

Segundo informações extraoficiais e relatos de populares, a mãe do garoto Pablo estaria com muitas dificuldades financeiras, em situação extrema de vulnerabilidade social, depressiva e com transtornos psicológicos.