Saúde

Programa Melhor em Casa completa cinco anos em Guarapuava

Maria Theresa Melhem Pellissari é coordenadora do Programa Melhor em Casa (Foto: Luca Soares/Extra Guarapuava)

O programa, uma parceria da Prefeitura de guarapuava com o Ministério da Saúde, é um serviço indicado para pessoas que apresentam dificuldades temporárias ou definitivas de sair de sua casa para chegar até uma unidade de saúde, bem como para pessoas que estejam em situações nas quais a ‘internação’ domiciliar é a mais indicada para o seu tratamento.

Essa, digamos, ‘internação’ domiciliar tem por objetivo proporcionar ao paciente, como o nome já diz, um tratamento próximo da sua família, ou seja, em casa. Desse modo, segundo a coordenadora do projeto em Guarapuava, Maria Theresa Melhem Pellissari, a pessoa atendida ao ficar mais próximo da rotina familiar, evita hospitalizações desnecessárias e diminui o risco de infecções, além, é claro, de estar no aconchego do seu lar.

Ainda segundo Maria Theresa, o número de atendimentos domiciliares reduziu significativamente os casos de pacientes atendidos em unidades de saúde da cidade. “Se a gente for falar em números e no impacto que isso causa no município, a gente vê o quanto de pacientes conseguimos tirar de dentro dos hospitais e das UPAS para tratar em casa. Esse é o objetivo do programa mesmo”, destaca a coordenadora.

Em cinco anos, o programa, que por enquanto conta com uma equipe apenas, já atendeu 1058 pessoas em suas residências, de domingo a domingo (12 horas por dia).  Como enfatiza a coordenadora, é isso mesmo o sentido do programa. “O que o programa faz é esse mesmo. É o Programa Melhor em Casa, é aquele que o paciente que pode ser atendido em domicílio. Ele tem as necessidades dos cuidados hospitalares, em termos de medicamento e outros pontos mais complexos, porém, ele consegue fazer tudo isso dentro de casa”, declarou Maria Theresa.

Para Maria Theresa, o Programa Melhor em Casa, consegue reduzir o número de internamentos hospitalares, e, com isso, diminuir o fluxo dentro dos hospitais. “A gente consegue reduzir o número de leitos, de internamentos, o número de retorno daquele paciente para o hospital, tratando ele em casa, no conforto do lar, ressalta Pellissarini.

Avanço na saúde

Sem dúvida, é um avanço, e tanto, na saúde guarapuavana. Por exemplo, nos casos em que o paciente precisa ser visitado, semanalmente ou mais, ele pode ser acompanhado, seguindo orientação do próprio ministério da Saúde, por uma equipe específica em atenção domiciliar. O atendimento é realizado por equipe multidisciplinar, formada por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeuta ou assistente social.

"O paciente precisa de tudo que ele faria no hospital, os casos menos complexos a gente faz na casa. Então, o paciente fica tranquilo, a família fica tranquila. O atendimento funciona como um hospital, só que dentro da casa do paciente. A gente acredita que o tempo de recuperação do paciente seja muito mais rápido, porque ele se sente mais seguro, o conforto dele é maior", finaliza Maria Theresa.

Em suma, o Programa Melhor em Casa, como preconiza o MS, melhora e amplia a assistência no SUS a pacientes que possam receber atendimento humanizado, em casa, perto da família. Estudos apontam que o bem estar, carinho e atenção familiar, aliados à adequada assistência em saúde são elementos importantes para a recuperação de doenças. Pacientes submetidos a cirurgias e que necessitam de recuperação, quando atendidos em casa apresentam redução dos riscos de contaminação e infecção.