Agricultura

“Produtores paranaenses precisam se reinventar”, diz Ortigara

["Paran\u00e1 exporta somente 10% do que produz em carne"]

De acordo com Norberto Ortigara, secretário estadual da Agricultura, o Paraná é um mediano produtor de boi, mas em frango pode se tornar o maior do país. “Veja, no conjunto das carnes (porco, frango e boi), o Paraná é o maior do Brasil. É muito grande em frango e vai ficar o maior do Brasil.

Para ele, o estado exporta muito pouco, cerca de 10% das 400 mil toneladas que produz. Porém, o secretário vê na produção da carne de qualidade um viés econômico importante para os negócios. [O Paraná] “Pode almejar, mesmo não tendo grandes escalas, grandes volumes, pode se reinventar, pode fazer nascer mais bezerros aqui dentro, pode encopar um pouco mais a cadeia”, disse o secretário.

Além disso, Ortigara acrescenta que os produtores do estado também podem vender para outros mercados ainda pouco explorados pelos produtores. “Podem também vender a nossa carne bovina, como alguns, poucas plantas nossas estão habilitadas, fazem vendendo pra Rússia, para o Irã, pra outros mercados, mas podem chegar no mercado chinês, no mercado coreano, por exemplo, que são mercados que pagam mais pela mesma carne que nós produzimos”, ressaltou.

 Ainda para Ortigara, agora com o fim da vacinação, é hora de aproveitar a oportunidade que virá para vender mais. “Outros estados como Santa Catarina, já acessa esse mercado com sua produção suína, e nós, porque vacinamos, estamos proibidos de chegar perto desses mercados. Como não temos mais a doença, acho que é inteligente usar outras ferramentas que não a vacina e tentar vender mais pra esses outros mercados do mundo.

Em termos práticos, de acordo com o secretário, esse é o próximo passo a ser dado. “Se tudo correr como planejado, no começo de setembro, o ministério declara o Paraná área livre sem vacina. Leva um anos, Aguenta um ano sem vacina, chama o mundo. A Organização Mundial de Saúde Animal faz a auditoria, faz seu parecer e leva para Paris, na Grande assembleia mundial, aí sim reconhece o Paraná como espaço livre. Temos ainda dois anos firmes para obter o reconhecimento internacional. Acho que é um grande passo”, declarou.