Geral

O melhor amigo do homem

A falta de consciência humana põe em risco a vida dos animais
["C\u00e3es, gatos e cavalos s\u00e3o protegidos pela secretaria de meio ambiente em Guarapuava."] (Foto: Foto: Aline Koslinski)

Apesar da grande relação entre o homem e o animal, ainda mais se tratando dos bichinhos de estimação, a estima é ausente quando nos deparamos com a realidade de animais abandonados e o grande número de casos de maus-tratos cometidos por quem deveria lhe proteger. A negligência é dada de várias formas: espancamentos, queimaduras, atropelamentos, tráfico de animais silvestres, zoofilia, envenenamentos, esgotamento de matrizes devido á exaustiva reprodução, caça ilegal, uso de animais para fins recreativos, entre outros.

Da mesma forma que existem animais muitos amados por seus donos, outros são descartados como mercadoria sem valor gerando um problema que causa prejuízos para a ecologia, economia, saúde pública e bem-estar do animal.

Segundo o secretário Celso Alves de Araújo, a Secretaria de Meio Ambiente de Guarapuava assumiu a pouco tempo o canil municipal da cidade e têm realizado campanhas de conscientização. “Desde janeiro de 2018 procuramos melhorar os atendimentos e investir em educação ambiental devido à falta informação, porque quando o cachorro é filhote o pessoal se encanta e adota sem avaliar o trabalho que o animal iria dar e abandona” e reitera: “A partir do momento que assumimos a gente vai aprendendo a lidar com as situações e temos feito um trabalho grande de fiscalização para penalizar as situações de maus tratos de animais de pequeno e grande porte”, explica o secretário.

Além do trabalho de campo, no sentido das campanhas um material foi desenvolvido juntamente com o departamento de fiscalização para orientar os tutores de animais, bem como a população em geral. O folder “se liga bicho!” têm informações básicas sobre o canil municipal, recolhimento e resgate de animais, atendimentos, castração, adoção, denúncias e penalização e pode ser adquirido na Divisão de Proteção Animal ou na Secretaria de Meio Ambiente em Guarapuava.

O recolhimento de animais pelo canil municipal é criterioso segundo a fiscal da secretaria Danielly de Castro. “Fazemos o recolhimento de animais de forma seletiva, pois não temos estrutura para abrigar a todos que estão abandonados, a prioridade são: fêmeas prenhas, animais atropelados e em casos graves de maus tratos que são imediatamente recolhidos se não possuírem donos”, conta Danielly.

Ainda segundo a fiscal, o canil foi reformado recentemente proporcionando um melhor espaço, além disso a instituição possui um veterinário responsável pelo atendimento dos animais que são levados para o canil e passam pelo processo de recuperação no casos daqueles que foram machucados, são microchipados e castrados e depois disponibilizados para uma adoção responsável.

ADOÇÃO

Ainda que a população sinta uma diminuição representativa de cães em situação de rua, a fiscal Danielly explica: “A entrada de animais é muito maior que a de saída, porque a questão de abandono é muito grande por falta de consciência das pessoas. Por isso o recolhimento é seletivo, porque o canil está superlotado de animais”.

Por isso nesse sentido é importante o processo de adoção já que configura também uma prática cidadã de ajudar e respeitar o meio ambiente. No entanto não basta adotar, se faz necessário responsabilizar-se pelo pet que levou para casa.

“Quem quiser adotar um animal que está no canil é só se dirigir até lá e escolher mediante um cadastro com os dados pessoais. Como são todos os animais são microchipados, nós saberemos o dono caso encontremos o animal em situação de rua novamente, o que gera penalizações caso o tenha abandonado”, reitera Celso Alves, Secretário de Meio Ambiente em Guarapuava.

Outra forma de adotar é por meio das feiras, a secretaria organizou uma no Parque do Lago há um tempo atrás e a última no dia do trabalhador, a próxima está sendo programada para a semana de meio ambiente que será em junho deste ano.

MAUS TRATOS

Nas ruas da cidade comumente notamos carroças e “gaiotas” sendo puxadas por cavalos, o secretario explica que nem sempre tratam-se de casos de maus tratos. “Os cavalos de uma maneira geral, desde os primórdios são usados para as funções de montaria, carregamento de carga etc. Não caracteriza maus tratos se usado corretamente sem excessos, por isso a base para punição é de acordo com a lei de crimes ambientais 1605/98. Se houver maus tratos o dono é autuado e têm o animal apreendido, válido também para o caso de abandono, pegamos o animal e depois de um prazo de 5 dias se não localizar-mos o responsável, encaminhamos o cavalo para instituições como a associação de produtores rurais, Apae e outras entidades”.

No caso dos pets, a fiscal orienta as pessoas a verem realmente se configura uma situação de maus tratos porque a Divisão de Proteção Animal e a própria Secretaria recebem muitas denúncias que não conferem com a realidade do animal e explica: “A legislação não proíbe manter o cachorro amarrado e nem especifica o tamanho da corrente, então eu não posso autuar em cima disso. Sempre observamos se tem água, se o local está limpo, se o cachorro está “gordinho” e com uma aparência saudável”.

DENÚNCIAS

Segundo o secretário, as denúncias podem ser anônimas e feitas pelo 156, são todas protocoladas e quem denunciou pode acompanhar o trâmite da fiscalização. “O 156 é a ouvidoria geral do município, porém mais de 80% das ligações que são recebidas é para denúncias de maus tratos e abandono de animais”, aponta Celso Alves.

Além dessa quantidade de denúncias pelo 156, várias pessoas ligam direto no canil municipal ou na Secretaria para solicitar o resgate de animais atropelados. “Quando o animal é machucado na rua, ou no caso de uma fêmea que está prenha mesmo que tenha dono, é difícil a pessoa assumir a responsabilidade, porque sabe que um animal machucado tem custos”, conta Danielly e expõe: “Eu acho que tem mudado pra melhor aos poucos, porque há um tempo atrás era menor a preocupação com a castração e havia até menos consultórios veterinários, porém ainda é preciso melhorar muito”.

A castração é realizada gratuitamente para animais quem possuem donos com baixa renda, entrando em contato com Divisão de Proteção Animal e mediante apresentação do comprovante do cadastro único, o veterinário autoriza os procedimentos necessários.

CUIDE DE SEU BICHINHO

Não existem dados específicos sobre abandono de animais, porque é recente a responsabilidade da Secretaria de Meio Ambiente sobre esse setor, por esse motivo a equipe neste momento está se aperfeiçoando. “Em uma parceria com o curso de medicina veterinária da Unicentro, estamos realizando um levantamento de quantos cachorros tem em Guarapuava porque é um dado que há anos não temos e pode nos auxiliar nos projetos de educação e conservação ambiental”, finaliza Celso Alves, secretario de meio ambiente em Guarapuava.

Segundo a fiscal Danielly, cada dono de animal deve manter seu animal dentro do pátio sendo cão ou gato, castrar porque vacinas causam doenças, oferecer uma alimentação adequada, um espaço confortável e sempre limpo com água.

Mesmo estando muito longe de erradicar o problema, as campanhas de sensibilização para a população contra o abandono dos animais geram efeito e buscam a diminuição de animais pelas ruas e abandonados por quem os adotou.