Policial

Estado e Polícia Federal vão compartilhar dados de segurança

Cooperação prevê acesso aos sistemas internos de cada órgão e compartilhamento de informações
O termo passa a valer a partir de dezembro e tem validade de cinco anos (Foto: AEN)

O termo de cooperação técnica prevê aos integrantes das polícias estadual e federal acesso aos sistemas de dados internos de cada órgão e compartilhamento de informações. O acordo foi firmado na sede da Secretaria da Segurança Pública em Curitiba.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública assinou nessa quarta-feira (27) um Termo de Cooperação Técnica com a Polícia Federal, o qual prevê aos integrantes das duas instituições acesso aos sistemas de dados internos de cada órgão e compartilhamento de informações.

Para o secretário estadual da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, a parceria entre os órgãos vai trazer grandes avanços para a população paranaense. “A integração entre as forças policiais é de total importância para nós e só traz benefícios para toda a sociedade. Estamos tentando construir, com todos os órgãos que trabalham no Paraná, um banco de dados para o compartilhamento de informações e o grande benefício disso é permitir aos agentes de segurança pública, tanto estaduais quanto federais, um acesso rápido aos dados durante uma investigação”, disse.

O superintendente da Polícia Federal, Luciano Flores de Lima, ressaltou que o grande beneficiado com a parceria é a população. “Teremos o compartilhamento de dados que todo policial precisa para levar mais segurança para a sociedade. O policial, tanto federal quanto estadual, terá acesso aos dados de suspeitos, de pessoas que foram presas, ou daqueles que estão portando uma arma, por exemplo, e poder conferir se os dados informados batem com os do sistema ou se aquela pessoa tem antecedentes criminais”, afirmou.

O termo, que passa a valer a partir de dezembro e tem validade de cinco anos, será de livre ônus financeiro para a Secretaria da Segurança Pública.

Compartilhamento – Policiais civis e militares estaduais poderão utilizar esta informação no dia a dia, tanto no policiamento ostensivo e na área de inteligência, como na parte de investigação e nos inquéritos que são produzidos pelos delegados de polícia, informou o coordenador de Análise, Planejamento e Estatística (Cape), capitão Cláudio Todisco.

As instituições terão acesso a informações de interesse comum entre os órgãos. “Essas informações vão providenciar que os agentes da Polícia Federal tenham conhecimento a respeito de informações sobre pessoas, veículos e detentos em penitenciárias. A Secretaria terá acesso ao banco de dados geral da Polícia Federal com informações sobre passaporte e pessoas recém-chegadas no território brasileiro, por exemplo”, explicou Cláudio Todisco.