Empresarial

Encontro discute as demandas de exportação e importação entre os Estados Unidos e Paraná

Representantes de setores estratégicos de Brasil e Estados Unidos falaram sobre investimentos bilaterais
Representantes paranaenses relataram aspectos da economia e infraestrutura do estado, como portos, ferrovias, rodovias, aeroportos, entre outros (Foto: Divulgação/AEN)

Em encontro realizado na Fiep, na quarta-feira passada, reuniram-se representantes da Fecomércio PR, Sebrae/PR, Fiep, Ocepar e ACP com representantes do Consulado Geral dos Estados Unidos de São Paulo, a conselheira comercial Camille Richardson e o especialista comercial Renato Sabaine.

O objetivo do encontro foi reportar as demandas de exportação e importação entre os Estados Unidos e o estado do Paraná, além da possibilidade de investimentos bilaterais.

Os representantes paranaenses relataram aspectos da economia e infraestrutura do estado, como portos, ferrovias, rodovias, aeroportos, além do fato de o estado ser o maior produtor de energia elétrica do país. Também comentaram sobre a qualificação da mão-de-obra, a posição estratégica com relação ao Mercosul, a diversidade cultural e potenciais setores para incrementar a relação comercial, além daqueles que tradicionalmente são a base da crescente corrente de comércio.

Os representantes dos Estados Unidos disseram que auxiliam as empresas estadunidenses a realizarem negócios no Brasil, bem como fornecem as devidas informações e suporte aos brasileiros que querem fazer negócios com os Estados Unidos.

Segundo a conselheira Camille Richardson destacou a importância que o Brasil representa para seu país, pois além do fato de ser a maior economia da América Latina, os Estados Unidos é o segundo maior mercado das exportações brasileiras, sendo inúmeras as possibilidades para diversificar e ampliar a parceria comercial.

Camille disse que para alavancar os negócios de empresas americanas no Brasil elegeram seis segmentos principais: infraestrutura; energia; economia digital; agronegócios (equipamentos e segurança alimentar); defesa; serviços (franquias, serviços financeiros, turismo, informática).

No diálogo também foram abordados temas sobre inovação, compras governamentais, turismo, respeito à propriedade intelectual, internacionalização das empresas paranaenses através dos Estados Unidos, startups, linhas de financiamento, organização de missões e participação em feiras especializadas.