Cultura

Em Turvo, sítios arqueológicos estão impulsionando o turismo

O sítio fica na propriedade da família Bonetti (Foto: Michele Fiuza)   A cidade de Turvo, vizinha à Guarapuava, preserva um patrimônio histórico cultural riquíssimo. Localizado a 25 km da sede do município, no assentamento rural Marrecas (Faxinal da Boa Vista), mais precisamente na propriedade da família de José Bonetti, pesquisadores identificaram dois sítios arqueológicos distintos, com artefatos indígenas. Os dois estão cadastrados no Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional (IPHAN). As informações são da Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Turvo.   No acervo, é possível verificar peças de povos indígenas, que teriam sido os primeiros habitantes da região (Foto: Michele Fiuza)   Entre as peças encontradas estão algumas pontas de flechas e machados, utensílios com estruturas argilosas como fornos e ainda peças com até 10 mil anos, como o umbu – espécie de projétil cilíndrico de pedra usado para caçar sem perfurar o animal. Uma das descobertas se trata de um vaso característico dos indígenas para enterrar seus entes. Parte da coleção foi doada ao Museu Paranaense, localizado em Curitiba. O bom estado de conservação dos artefatos se deve ao cuidado que José Bonetti teve ao encontrá-los. Há 19 anos ele vem resgatando as peças em sua propriedade e na região, sendo que algumas delas acabaram danificadas ao arar a terra.   TURISMO RURAL Em paralelo ao sítios arqueológicos, José Bonetti ainda possui em sua propriedade diversos artefatos e ferramentas rudimentares e artesanais usados no cultivo da terra. Herdadas e recuperadas por ele, elas fazem parte da história de sua família e da região. Expostas, ele conta aos visitantes a origem de cada uma. De acordo com Michele Fiuza, da Secretaria de Comunicação de Turvo, toda essa rica história faz parte da região, por serem indícios de civilizações pré-colombianas no vale do Rio Ivaí, portanto, de grande riqueza histórica e municipal. Ainda há indícios de outros sítios arqueológicos em outras regiões do município, os quais o Departamento de Turismo busca identificar, para fomentar ainda mais o turismo histórico, científico, cultural e rural do município, frisou Michele.