Esporte

Bora voar?!

Aos que gostam de aventuras, essa é mais uma opção de esporte em nossa cidade. A AVLG - Associação de Voo Livre de Guarapuava, oferece voos panorâmicos de paratrike, paramotor, voo livre e cursos para formação de pilotos.
A equipe é formada por Ivonete de Fatima Moraes, secretária, Márcio Rogério Brandelero, piloto e instrutor, Reginaldo Araujo Penteado, piloto e monitor, Rafaela Braga da Silva (mascote), entre outros.

Criação

Os voos começaram em 2009, na época eram dois pilotos que fizeram cursos fora e começaram no voo livre aqui na cidade.

Ivonete conta que quando começaram a ter um número razoável de pilotos, criaram a Associação para facilitar a demanda e organizar os cursos, viagens e campeonatos. Depois disso, montaram a escola com cursos de voo livre e paramotor para poder formar pilotos aqui na cidade e não precisar estar viajando para os cursos.

Em 2010, devido ao relevo da cidade e região houve a necessidade de inserir os voos motorizados, paratrike e paramotor. Hoje, a equipe trabalha com essas três modalidades, voo livre, paratrike e paramotor.

Márcio se especializou na área de instrução e hoje ele é o instrutor dos cursos de voo. A equipe participa de eventos, campeonatos, festivais em outras cidades. “Agora começamos a trazer eventos para Guarapuava, ressaltou, Ivonete.

Cursos

Para o curso básico de piloto iniciante, motorizado ou de voo livre, é necessário um curso de 40 horas.  “Hoje ministramos cursos de voo livre, parapente, paramotor e paratrike, disse Márcio, instrutor de voos.

Após o curso, as pessoas precisam continuar fazendo treinamentos contínuos e cursos mais avançados, além de comprar seus equipamentos e se afiliar à Associação. “Depois que o piloto está formado, é aconselhável que ele continue em contato com pessoas que tenham experiência de voo, por isso temos a Associação", ressaltou Ivonete.

Investimento

Para um curso de piloto de voo livre, Márcio conta que o custo é em torno de 15 mil, para paramotor, dependendo do equipamento 25 mil e paratrike pode chegar a 40 mil.

“A procura é boa, umas das coisas que dificulta aqui na nossa região é o custo alto dos equipamentos, muitas pessoas não levam o curso adiante devido ao alto investimento que é necessário, comentou Márcio.

Apoio

A equipe AVLG tem parcerias com grupos de turismo, de aventuras e com a própria Secretaria Municipal de Turismo de Guarapuava e Turvo.

“Estamos começando a trazer eventos juntos em parceria e isso acaba ajudando a divulgar mais o esporte”, ressalta Ivonete

Voos panorâmicos

Para voo panorâmico não há necessidade de curso nem treinamento. O custo para voos duplos aqui na cidade, ficam em 180 reais.

Os voos motorizados são de aproximadamente 10 a 15 minutos, dependendo da condição de vento e térmicas para se manter.

As decolagens podem ser feitas diariamente no Residencial 2000, próximo à PIG, desde que marcadas com antecedência. “Temos uma pista de decolagem no Salto São Francisco, onde há sobrevoos por cima da cachoeira. Também temos uma rampa de decolagem de voo livre na Serra da Esperança nas margens da BR 277”, comenta Ivonete.

Eventos

Em 2018, a equipe participou de um evento no Salto São Francisco de paramotor e paratrike.

Em maio desse ano, também participaram do evento SSF Extreme, onde o voo duplo foi um dos atrativos.

Modalidades

A equipe trabalha com três modalidades: voo livre, paratrike e paramotor.

“No voo livre, é necessário ir até uma montanha, onde a decolagem e feita sem motor, por isso o termo ‘livre’, a força do vento que irá manter o voo, comenta o instrutor.

O paratrike é motorizado com motor aeronáutico e hélice, há os voos duplos ou sozinho quando o piloto já está formado.

Paramotor também é motorizado com motor especial e hélice, é um equipamento leve que é colocado nas costas e a decolagem ocorre correndo na grama, o pouso também.

Área de trabalho

Apenas a AVLG que trabalha nessa área de voos na cidade. Ivonete conta que há dois lados nessa questão de ser único em um lugar. “O lado bom é o de ser um esporte único, uma novidade na cidade. Por outro lado, há dificuldade em mostrar o esporte para a população, muitas pessoas não conhecem e a primeira coisa que pensam é em relação ao medo, falta de coragem, algumas pessoas são fechadas pra isso. Desde que começamos, nossa maior dificuldade foi essa”, comenta.

Hoje, depois de dez anos, a equipe AVLG conta com um público razoável mas cada vez mais há pessoas interessadas.

Segurança

Com relação aos que todos tem receio, Márcio comenta que o perigo é inerente a qualquer tipo de esporte radical. Ele diz que o esporte que oferecem é extremamente seguro, a equipe é formada por pessoas com bastante conhecimento na área, com bastante tempo de voo, estão sempre em busca de aprendizado, sempre atualizados e com equipamentos adequados.

Idade para se aventurar

Ivonete conta que não há um limitador de idade, uma pessoa de oitenta anos, pode ir fazer um voo duplo de paratrike, por exemplo.

Pessoas com necessidades especiais também podem se aventurar. Há inclusive, voos triplos, onde a criança que ir junto com o pai ou a mãe. Apenas não recomendam à pessoas cardíacas devido à forte adrenalina. O limitador de peso é de 100 kg para voo duplo.

Há muitas pessoas novas em busca desse esporte, nossa maior dificuldade aqui em Guarapuava é devido ao clima que não colabora muito mas sempre quando a condição de tempo está favorável “temos voos, finaliza Ivonete.

Então, bora voar? Para maiores informações, basta entrar em contato com a equipe através da página AVLG – Associação de Voo Livre de Guarapuava, ou pelo WhatsApp: (42) 99984 4040 - Ivonete e (42) 99944-1044 - Márcio.