Medo chega à construção civil

João Alceu/Jornal Extra       
Setor diminui investimentos e lojas de materiais registram queda de até 50% nas vendas
É bem assim mesmo. Devagar, quase parando, que alguns setores da indústria da construção civil estão desde o início do ano. Visível de se ver ao constatar em vários prédios que estão sendo construídos na cidade que, se não estão com as obras paralisadas, o andamento tem sido lento e gradual.Os fornecedores dessa indústria são os que mais sentem esse período de – digamos assim – vacas magras. Sanderson de Andrade, da Lumina Esquadrias – de alumínio – já registra uma queda em torno de 30% nas vendas.  E não são apenas as grandes empresas construtoras que botaram o pé no freio. “As pessoas físicas, aquelas que estavam fazendo reformas ou precisavam colocar uma janela ou porta nova, também não estão comprando”, diz o empresário.Segundo Sanderson, as pessoas estão com medo. “Ninguém sabe o que vai acontecer porque há muita desconfiança por causa dos aumentos nos preços, da inflação, do desemprego”, relata ele.

Mas o reflexo maior é, claro, nos grandes comércios. Caiu a venda de cimento nos materiais de construção, principalmente do consumidor chamado “formiguinha”, aquele que compra para fazer reformas ou o conhecido “puxadinho”.

Caminhando de lado nessa situação algumas empresas do setor se preveniram. Trabalham no sistema de consórcios. É o caso da construtora Sanches, que está construindo cinco prédios na cidade. Mesmo assim, também nesta empresa a palavra “medo” ganha destaque. “Estamos aguardando o CUB (Custo Unitário Básico) de junho que vai determinar o valor do salário, para ver como vai ficar a situação” relata Mateus Cruz.

Não houve demissões na empresa
No mesmo sistema de consórcios trabalha a construtora Evolução, cuja matriz fica em Maringá, mas que está construindo dois prédios em Guarapuava. Segundo Sérgio Luiz Rolak, a inadimplência dos consorciados se mantém dentro da normalidade, mas ele sente que o mercado está inseguro. “Os compradores não estão comprando e está difícil prever novos empreendimentos”, diz ele.

Nas rodas de conversa com empreendedores de todas as áreas, diz Sérgio, o assunto é a crise de confiança. “Tem alguns setores que falam em queda de até 50% nas vendas”, exemplifica.

Materiais de construção
Se na ponta da indústria do setor as coisas estão um tanto quanto estagnadas, no começo do caminho a situação não é diferente. As lojas de materiais de construção estão penando com a ausência dos compradores.

A maioria delas – as lojas – estão registrando uma linha permanente para baixo no gráfico das vendas. Em alguns produtos – caso do cimento – essa queda já supera a casa dos 30% ao mês. Mas há outros também envolvidos diretamente na construção como brita, areia, tijolos, etc, cuja redução nas vendas chega a 50%.
“O negócio está complicado” disse uma vendedora que se mantém durante toda a tarde com os braços cruzados atrás do balcão. Segundo ela, há pouco tempo (no ano passado) era difícil ficar um dia sem vender nada. “Agora está se tornando normal”, aponta.

Tagged with:    

About the author /


Extra

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Newsletter

ASSINE O EXTRA