Campanha de vacinação contra dengue imuniza cerca de 190 mil paranaenses

Desde o início da campanha de vacinação contra a dengue, em 13 de agosto, foram imunizadas cerca de 190 mil pessoas no Paraná. A primeira etapa da vacinação contra a doença terminou no sábado (24). Quem recebeu a primeira dose, deve procurar uma Unidade de Saúde em fevereiro de 2017 e, novamente, em agosto para concluir o esquema vacinal e garantir a imunização completa.

“Essa foi mais uma das estratégias da Secretaria da Saúde com o objetivo de reduzir as epidemias da doença no Estado. Além das pessoas que foram imunizadas, a proteção se estende a toda população, uma vez que servirá para reduzir a circulação viral na região”, explica o secretário da Saúde, Michele Caputo Neto.

Os melhores índices de cobertura vacinal foram os das cidades de Munhoz de Mello, no norte do Estado; Boa Vista da Aparecida, município localizado na região Oeste; e São Jorge do Ivaí, também no Norte do Paraná. As três cidades vacinaram mais de 80% do público-alvo da campanha.

O secretário municipal da Saúde de Munhoz de Mello, Mauro Sérgio de Araújo, conta que toda a equipe se empenhou para vacinar o maior número possível de pessoas. “Estendemos o horário de atendimento da Unidade de Saúde, realizamos a vacinação em escolas, empresas, academias e diretamente nas residências”, diz.

A mesma ação se repetiu em diversas cidades da campanha. “Incentivamos as equipes municipais a organizarem grupos volantes para levar a vacina até a população, pois os jovens, público-alvo da campanha, não costumam buscar os serviços de saúde”, conta a chefe do Centro estadual de Epidemiologia, Júlia Cordellini.

DADOS PRELIMINARES – A estratégia de vacinar pessoas fora das Unidades de Saúde facilitou o acesso da população, mas devido ao grande volume de doses aplicadas em outros ambientes, os números de cobertura vacinal ainda são preliminares. “Até o fim desta semana teremos as informações fechadas sobre o quanto cada município vacinou e esse número deve aumentar”, fala Júlia.

De acordo com o coordenador estadual de Imunização, João Luís Crivellaro, nenhuma dose comprada pelo Estado será perdida. “As vacinas remanescentes têm validade até outubro do próximo ano. Elas ficarão armazenadas adequadamente e servirão para aplicações da segunda e terceira etapa da vacinação”, destaca.

SEGURANÇA – Das 190 mil vacinas contra a dengue aplicadas no Estado, foram registrados somente 107 casos de reações adversas leves, o que representa 0,056% do total. “Não houve nenhum evento moderado ou grave dentro deste universo tão grande de pessoas vacinadas. Isso mostra que temos uma vacina segura e eficaz”, garante Crivellaro.

O coordenador também lança um alerta para quem recebeu a vacina. “É importante respeitar o intervalo de 30 dias antes de receber outro tipo de vacina, como, por exemplo, as que fazem parte da campanha de multivacinação”, ressalta.

IMPACTO – A partir do final da campanha, especialistas em imunização já declararam a intenção de acompanhar o estudo de impacto da vacinação contra a dengue no Estado. Em recente simpósio internacional da área, o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde declararam interesse em conhecer as estratégias adotadas no Estado. O objetivo é compartilhar a experiência paranaense para uma possível campanha de vacinação contra a dengue.

Por: 

Tagged with:     , , , , ,

About the author /


Extra

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Newsletter

ASSINE O EXTRA