Manifestantes e MBL tentam desocupar escola e provocam tumulto no Paraná

Escolas estaduais de Curitiba, ocupadas por alunos em protesto contra a reforma no ensino médio e a Proposta de Emenda a Constituição (PEC) 241 que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos, foram alvo de tentativa de desocupação à força, na noite desta quinta-feira, por manifestantes e integrantes do Movimento Brasil Livre, que é contrário à ocupação.

Lysimaco Ferreira da Costa

O Colégio Lysimaco Ferreira da Costa, no bairro Água Verde, chegou a ser invadido por integrantes do MBL e foi necessária a intervenção da Polícia Militar para evitar conflito com os estudantes que ocupam a escola. A assessoria de imprensa da PM afirmou que não havia mandado judicial para ser cumprido nesta noite e que os policiais estão no local acompanhando as manifestações. A PM retirou de dentro da escola todas as pessoas estranhas à ocupação.

O advogado dos alunos ocupantes, Vitor Leme, afirmou que o diretor da escola facilitou a ação. “No momento em que o diretor disse que queria dialogar, ele foi autorizado a entrar, e abriu o portão para deixar membros do MBL entrarem e causarem confusão aqui dentro. Aconteceram ameaças morais e de agressão física. Os alunos se trancaram dentro do prédio e a PM entrou e tirou os integrantes do MBL”, afirmou.

Integrantes do grupo de manifestação contrário passaram pelo primeiro portão, mas não pela segunda grade que protege o prédio onde estão os estudantes. A ocupação é mantida.

Leme afirmou que foi agredido. “Eu e mais dois alunos fomos agredidos quando tentamos entrar. Me bateram, puxaram meu cabelo”.

Do lado de fora, a aluna Clara Martinucio, 18, que é contra a ocupação confirmou que houve confusão entre os movimentos. “Eu sou contra a ocupação porque acho que a forma como está sendo feita é prejudicial. A PEC também é prejudicial e está sendo feita errada. Todos os alunos que não estão ocupando têm o direito garantido de estudar. Porque o direito dos alunos que ocupam é maior que o meu?”. Ao ser questionada se teve confusão respondeu: “é claro que teve, são dois movimentos contrários”.

A informação de que a escola havia sido invadida por movimentos contrários à ocupação circulou rapidamente nas redes sociais e, em alguns minutos, centenas de simpatizantes à ação dos estudantes se dirigiram à escola para prestar apoio.Um deles era o professor Ricardo Padrin. “Eu estou me solidarizando com os estudantes aqui desde o primeiro dia [de ocupação]. Por volta de umas 20 horas havia uma aglomeração do outro lado da rua, com membros do MBL que vieram com toda uma infraestrutura para tentar pressionar a galera que estava lá dentro [da escola]. Os alunos não deixaram se abater. O MBL entrou com o carro de som inteiro dentro do colégio, depois a PM entrou e retirou os do movimento ‘desocupa’”, disse.

O Conselho Tutelar e os advogados que defendem o movimento também foram até o local.

O líder do Movimento Brasil Livre, Éder Borges, negou que os manifestantes tentaram desocupar a escola à força. “Nós viemos dar apoio aos pais e alunos que querem a desocupação das escolas. As pessoas têm o direito de estudar. A ocupação é um movimento partidário. Nós não tentamos desocupar a força. Como faríamos isso?”

Éder não negou que o MBL entrou na escola. “Nós entramos para acompanhar o movimento. Se você conhece o MBL sabe que nós nunca fomos de conflito”, afirmou. O MBL, no entanto, transmitiu parte da ação ao vivo em sua página do Facebook, afirmando que estava “desocupando mais uma escola no Paraná”.

Colégio Pedro Macedo

No Colégio Pedro Macedo, no Portão, um grupo de aproximadamente 50 pessoas que se identificou como pais, alunos, professores e vizinhos tomou a frente do portão da escola assim que circulou a notícia de que os integrantes do MBL iriam para lá. A intenção era proteger os estudantes e a ocupação.  A professora Mônica Ribeiro, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), foi apoiar os alunos. “Nós soubemos pelas redes sociais que estariam tentando desocupar a força essa escola. Nós viemos tentar ajudar para não ter violência contra os meninos. Tenho acompanhado as ocupações em várias escolas para explicar sobre a medida provisória”, afirmou. Não houve registro de confronto na escola.

Pais e alunos contrários às ocupações realizaram uma manifestação às 18h30 de hoje (27), no Colégio Leôncio Corrêa no bairro Bacacheri.

Determinação judicial

A juíza Patrícia de Almeida Gomes, da 5ª Vara de Fazenda Pública, deferiu liminar para desocupação de 25 escolas de Curitiba, nesta quinta-feira (27). A multa em caso de descumprimento da ordem é de R$ 10 mil ao dia.

“Expeça-se o competente mandado para desocupação voluntária imediata e caso não atendida, a ordem de reintegração de posse, requisitando-se à Polícia Militar do Estado do Paraná, para que com as cautelas próprias às particularidades do caso, assegure o cumprimento da presente decisão”, diz a liminar. O mandado de segurança também foi expedido. Um oficial de justiça seria o responsável por definir como e em que horário a desocupação deveria ser feita. O movimento dos estudantes precisa ser notificado antes da ação.

A decisão atende ao pedido da Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Ocupações

Estudantes ocupam colégios estaduais do Paraná desde o dia 03 de outubro. De acordo com o movimento “Ocupa Paraná” são 850 escolas, 14 universidades e 11 núcleos de educação ocupados. A última atualização foi feita na sexta-feira (21), antes do assassinato de um estudante em uma das instituições.

A Secretaria de Estado da Educação (Seed) afirmou que são 672 escolas ocupadas. Em assembleia realizada na quarta-feira, no colégio José Loureiro, em Curitiba, com representantes de cerca de 600 escolas ocupadas, os estudantes decidiram manter as ocupações.

A assembleia foi realizada para decidir se as escolas seriam desocupadas até o dia 31 de outubro para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A data foi imposta pelo Ministério da Educação para não adiar a realização do exame para os alunos das escolas ocupadas, marcado pra os dias 5 e 6 de novembro em todo o país.

Por: Paraná Portal

Tagged with:     , , , ,

About the author /


Extra

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Newsletter

ASSINE O EXTRA