Estudo mostra setores estratégicos para atração de investimentos

 

Um estudo feito pelo Governo do Paraná definiu seis setores prioritários para atração de investimentos ao Estado nos próximos anos. A ideia é reforçar segmentos em que o Paraná já tem presença forte e também desenvolver mercados com potencial tecnológico, de geração de valor agregado e emprego.

Os setores estratégicos são Tecnologia da Informação e Eletroeletrônico, Tecnologia da Agroindústria, Saúde e Beleza, Automotivo e Transporte, Areoespacial e Defesa, e Energia.

“Em 2011 nós lançamos o Paraná Competitivo, programa de atração de investimentos baseado em vetores como geração de emprego e tecnologia e preservação do ambiente. Agora estamos dando um passo adiante em nossa política de desenvolvimento econômico, ao formular um plano direcionado a segmentos de alta tecnologia, nos quais temos grandes vantagens comparativas em relação a outros estados, ou mesmo outros países, como expertise, recursos materiais abundantes, infraestrutura e localização estratégica”, explicou o governador Beto Richa.

O Paraná Competitivo, lembrou Richa, cria mais de 180 mil empregos em curto e médio prazo. Agora, neste novo projeto, o Estado pensa mais a médio e longo prazos.

  • DIAGNÓSTICO

O Estado desenvolveu um plano estratégico, por setor, para atração de investimentos, segundo Adalberto Netto, presidente da Agência Paraná de Desenvolvimento (APD), do Governo Estadual.

“É preciso ter em mente que precisamos gerar empregos de alto valor para as futuras gerações, para não corrermos o risco de perder a mão de obra especializada e qualificada para outros Estados”, afirma.

Um diagnóstico feito pela APD aponta para a necessidade de o Paraná aproveitar a sua alta competitividade para atrair investimentos de maior complexidade econômica. “O Estado precisa completar sua transformação industrial. Hoje o Paraná tem uma produção basicamente de média e baixa complexidade”, diz. Quanto mais sofisticado o produto, como aviões, máquinas, computadores, mais complexa e próspera a sua economia.

“Precisamos aproveitar o que temos de melhor, que é a mão de obra qualificada, a infraestrutura, a logística e o acesso aos grandes mercados consumidores e um bom diálogo com o setor privado para atrair esse tipo de investimento”, diz.

  • PARANÁ COMPETITIVO

O Paraná é um dos Estados que mais atraem investimentos produtivos no País. Desde 2011, já recebeu R$ 40 bilhões em investimentos de empresas privadas e estatais, com a criação de 99 mil empregos, por meio do programa de incentivos Paraná Competitivo.

O Estado é considerado o terceiro mais competitivo do País – atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro -, de acordo com o ranking da consultoria britânica Economist Intelligence Unit. O levantamento leva em conta oito categorias decisivas para a realização de negócios como ambiente político, econômico, regime tributário e regulatório, política para investimentos estrangeiros, recursos humanos, infraestrutura, inovação e sustentabilidade.

  • AÇÕES

Além de fazer o diagnóstico da atual situação dessas cadeias produtivas, a APD prepara estudos para guiar ações para o desenvolvimento, que envolvem desde capacitação de mão de obra e criação de novos cursos universitários até rodadas de visitas a possíveis investidores. Além disso, negocia com instituições financeiras internacionais parcerias com a Fomento Paraná para apoio a investimentos.

O Paraná já tem uma base consolidada na maioria dos setores incluídos no plano estratégico, mas a ideia é adensar a produção.

  • AUTOMÓVEIS E TRANPORTE

No setor automotivo, o Estado já é o terceiro maior polo do País, atrás de São Paulo e Minas Gerais. Atualmente são cerca de mil indústrias ligadas à produção automotiva e de transporte no Estado, que responderam por 11% da produção nacional em 2014, de acordo com a Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea)

“Nesse segmento, a mão de obra paranaense é três vezes mais competitiva do que a dos outros Estados. É um segmento estratégico”, diz Adalberto Netto.

  • SAÚDE E BELEZA

A intenção é atrair novas empresas e investidores também para o setor de saúde e beleza. O Brasil é o terceiro maior mercado consumidor de produtos de beleza do mundo, atrás dos Estados Unidos e da China. O faturamento do setor foi de R$ 101 bilhões em 2014, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec). O Paraná gera 6% da receita do setor no País.

Segundo Marina Sperafico, assessora técnica da APD, uma das vantagens da indústria da beleza é que ela é menos suscetível aos efeitos da crise econômica e vem apresentando taxas de crescimento elevadas nos últimos anos. Dados da Abihpec mostram que nos últimos 19 anos, o setor registrou crescimento real (já descontada a inflação) de 10%.

  • AEROESPACIAL E DEFESA

O Paraná assinou um acordo com a fabricante de aeronaves russa Irkut para implantar em Maringá unidades de fabricação de peças e partes de aeronaves e centros de operação para atender o Brasil e a América Latina. A Irkut vai funcionar como uma espécie de “âncora” para atrair novos investimentos no setor. Entre as propostas está a criação de um curso de engenharia aeronáutica e de mecatrônica aplicada na Universidade Estadual de Maringá (UEM) para formar mão de obra especializada para as indústrias do setor. Uma parte da rede de fornecedores do setor automotivo também pode vir a integrar essa cadeia de produção.

  • TECNOLOGIA DA AGROINDÚSTRIA

Considerado um dos setores mais competitivos do Paraná e com uma participação de 30% na economia paranaense, o agronegócio é considerado prioritário para investimentos, com enfoque principalmente em inovação. O objetivo é desenvolver a área de biotecnologia.

  • ENERGIA

Maior gerador de energia do País e dono do 43% do potencial energético do Sul do País, o Estado quer atrair novos projetos, principalmente na área de energia renovável e novas tecnologias. Entre os alvos estão biomassa e energia solar.

  • TI e ELETROELETRÔNICOS

Com mão de obra qualificada disponível, o setor de Tecnologia de Informação (TI) é outro estratégico para investimentos no Estado. As regiões de Curitiba, Londrina e Pato Branco, se consolidaram no desenvolvimento de empresas do setor. O Paraná responde por 10% do faturamento do setor de TI no Brasil e 7,4% do número de empregados. De acordo com Adalberto Netto, o Governo do Paraná prepara uma nova lei para conceder benefícios para desenvolvimento de TI na área de e-commerce. “Duas líderes mundiais do setor estão negociando sua instalação no Estado”, afirma.

 

Tagged with:     , , ,

About the author /


Extra

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Newsletter

ASSINE O EXTRA