APAE: educando com carinho especial

Em Guarapuava, a instituição atende mais de 430 alunos. A APAE é mantida por verbas governamentais e doações da comunidade


Educando com carinho, incentivo, adaptação e amor. Características típicas de quem trabalha a educação com o coração, palavras sinônimas da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais).

A associação filantrópica nasceu em 1954, no Rio de Janeiro, e tem como principal objetivo a promoção da atenção à pessoa com deficiência intelectual e múltipla. “Desde a primeira infância até a terceira idade, esse alunos tem atendimento nas áreas da educação, saúde, e assistência social”, explicou a diretora da Apae Guarapuava, Elisandra Schrueder. Hoje, a instituição se encontra em mais de duas mil cidades em todo o país.

Em Guarapuava

Há 45 anos na cidade a Apae atende mais de 440 alunos por dia em suas duas unidades, a sede, no bairro Santa Cruz, e a Apae Rural, nas margens da BR 277, e são realizados 2600 atendimentos na área da saúde, por mês, sendo desses 10% pessoas da comunidade. A diretora de Guarapuava, ressalta o papel da Apae. “O papel da Apae é atender a pessoa com deficiência e tentar incluir o máximo de alunos na sociedade, na escola, no mercado de trabalho, porque eles tem potencial tanto quanto nós, a diferença está na forma como ele aprende e no tempo que ele aprende”, conta.

Na sede Santa Cruz são realizados os atendimentos de saúde, educação infantil, fundamental EJA (Escola de Jovens e Adultos) e os cuidados para aqueles que tem um grau de deficiência um pouco mais elevado.

APAE RURAL

Na Apae rural funciona a escola de ensino fundamental e EJA, além do atendimento de idosos. Esses atendimentos são feitos na sede também, porém na área rural esses são específicos. A diretora explica que o fato se dá pela mobilidade que o meio rural necessita. “Alguns tem condições de avançar de incluir, mais alguns ficam na Apae por muitos anos, as vezes até a terceira idade, até pra mudar um pouco os ares, numa determinada idade a gente sugere que eles vão para esse outro ambiente, como se fosse uma promoção deles, o que na verdade é uma mudança de ares,  porque lá tem mais espaço para caminhada, projetos diferenciados daqui”, contou Elisandra. Nos próximos meses, a rural recebe a equoterapia.

 

Atendimentos

ELISANDRA - Diretora da Apae recebe um carinho durante nossa visita a instituição

ELISANDRA – Diretora da Apae recebe um carinho durante nossa visita a instituição

Em Guarapuava a instituição trabalha com três tipos de atendimentos, a saúde, a educação e a assistência social.

Na educação são trabalhadas atividades pedagógicas, assim como a escolar normal, porém com adaptações ao currículo e a necessidade de cada aluno. Dias letivos, livros, professores tudo organizado como uma escola habitual. Elisandra reforça o cuidado e o preparo que cada professor tem para atender sua turma. “Até com mais preparo porque precisamos de mais meios e adaptações para que consiga despertar o conhecimento e o ensino para eles. Então trabalhamos nessa área na forma pedagógica, na mesa forma que a escola comum, mas com devidas adaptações”.

 

Já na área da saúde, são feitos atendimentos como terapias, fonoaudiologia, psicologia e fisioterapias de solo e hidro. E agora, em fase final, a Apae está com a implantação da equoterapia, para a unidade rural.

Para a assistência social o principal projeto é o “Fortalecimento de vínculo com as famílias”. A diretora explica que o projeto consiste em um grupo de voluntários que fazem trabalhos com as famílias dos alunos mais debilitados, que demandam vigilância continua ou bebês que estão entrando na Apae agora, as mães ficam na escola e participam de projetos de autocuidado, dinâmicas, ginásticas, palestras, reflexões e atenção psicológica. “Estreitar esse vínculo escola com a família e deixá-los mais seguros, mais próximos, em casos de emergência e enquanto isso elas cuidam um pouco de si. Corpo, alma e coração, procuramos diversificar bem essas atividades”, contou a diretora.

A turma da educação infantil posou para o Jornal Extra e nos tirou belos sorrisos

A turma da educação infantil posou para o Jornal Extra e nos tirou belos sorrisos

 

Recursos

Para sobreviver a instituição conta com a parceria do Governo do Estado, que lhes cede professores e funcionários, sendo o maior mantenedor da Apae. Há, também, a parceria com o município com a ajuda de alguns profissionais, merenda escolar e o transporte, feito como nas escolas comuns, e clínica que é atendida pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Em relação a estrutura, equipamentos, reformas e adequações a associação conta com as doações da comunidade.

Na unidade do Bairro Santa Cruz, são realizados todos os atendimentos de saúde, como a fisioterapia

Na unidade do Bairro Santa Cruz, são realizados todos os atendimentos de saúde, como a fisioterapia

Para doar

Para ser um amigo da Apae basta ligar na Central de Doações (3623-2544) e fazer o cadastro. “Essas colaborações não são valores significativos, não são valores altos, temos doações de R$5 até a quantia que a pessoa quiser, mas são essas que nos ajudam na manutenção diária de utensílios, complementações, dentro da instituição”, concluiu Elisandra.

Tagged with:     ,

About the author /


Extra

Post your comments

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Newsletter

ASSINE O EXTRA